Página IncialNotíciasNão dá para acreditar que volta de Renan foi condição para não se votar abuso de autoridade

Não dá para acreditar que volta de Renan foi condição para não se votar abuso de autoridade

31509454775_8a8d6a9249_zO senador Roberto Requião comunicou ao plenário, nesta quinta-feira (8), que o seu relatório ao projeto de lei que pune o abuso de autoridade está pronto para a votação, com a incorporação de dezenas de sugestões de juízes, procuradores, juristas e advogados. No entanto, advertiu o senador, “não é possível acreditar que a votação do projeto seja adiada, como parte de um acordo que permitiu a volta do senador Renan Calheiros à presidência da Casa”.

Na defesa do projeto, Requião afirmou ainda que o foco da nova lei é o abuso da autoridade e não a autoridade. “É um projeto contra as “carteiradas” de todas as autoridades, qual sejam elas, do guarda na esquina ao magistrado. Queremos proteger os mais fracos das exorbitâncias dos mais fortes”, disse.

Sobre a oposição ao projeto, Requião disse não entender porque alguns juízes e procuradores têm medo do Judiciário: “Serão colegiados de juízes que julgarão os abusos de autoridade. Por que eles têm medo do Judiciário”, perguntou o senador.

Veja a seguir o vídeo com o pronunciamento do senador e leia a última versão do projeto contra o abuso de autoridade.

Um comentário em “Não dá para acreditar que volta de Renan foi condição para não se votar abuso de autoridade

  1. (Sem querer observar que a “mudez do microfone” foi prolongada pelo “estratégico desaperto do Calheiros…” no momento em que citavas algo de cunho maracutoso….”),,,;
    Esse projeto que dormita a “7 anos”, é projeto meu, que enviei ao Lula na época, (logo depois do milagre do do voto minerva do Mãosanta do “Pí – auÍÍ !!) que derrubou a CPMF, e retirou mais de 1,5 trilhões até agora do orçamento,,;, ;
    Era um contraponto aos Protocolos dos sábios de Sião, da Franco-maçonaria, onde “logo nas primeiras páginas trata de “Removibilidade de governantes Via- maledicência”, e pela perseguição ao governante de situação”;
    Como sou “um cristão nacionalista legítimo”, e que prezo a herança que Deus nos deu por mão de Manoel Primeiro”, e nunca aceitei idiotices na política, (elas estão ai por mão de outros), então tomei essa atitude; (Porém não me responsabilizo por jabutis e nem jabuticabas dependuradas nos projetos);
    Aliás, é comum você enviar um projeto ao Planalto, de um “carburador”, e ser modificado para “uma máquina de moer carne ou mesmo a cruza de “um tatu com uma cobra..”;
    Mas isso faz parte da “intenção e do caráter”, de quem “DESCARACTERIZA OS PROJETOS”; (No dia do Juízo Final saberemos das coisas);

Comments are closed.