Bolsonaro faz autocritica. Há trinta anos ele e os filhos são e fazem politica,pequena, miúda,fisiológica. Atribue a politicos,como ele,os problemas do país. Deus iluminou Bolsonaro? Por um instante?

Cerca 12 horas atrás from Roberto Requião's Twitter via Twitter for iPhone



Página IncialNotíciasRequião aprova aposentadoria especial para trabalhador da construção civil

Requião aprova aposentadoria especial para trabalhador da construção civil

O senador Roberto Requião relatou favoravelmente, à Comissão de Constituição e Justiça, projeto de lei do senador Paulo Paim que estabelece aposentadoria especial aos trabalhadores da construção civil, dada às características da profissão, permanentemente submetida a riscos e à insalubridade.

Veja a argumentação de Requião no parecer favorável aos trabalhadores da construção civil.                        

Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA (CCJ), sobre o Projeto de Lei do Senado nº 228, de 2011 – Complementar, do Senador Paulo Paim, que dispõe sobre a concessão da aposentadoria especial ao trabalhador na construção civil.

RELATOR: Senador Roberto Requião

I – RELATÓRIO

Vem a exame desta Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 228, de 2011 – Complementar, de autoria do Senador Paulo Paim.

Tem por objeto a proposição regulamentar a concessão de aposentadoria especial aos trabalhadores do setor da construção civil. Para tanto, referidos trabalhadores deverão se expor, de forma constante, a condições de trabalho que produzam dano a sua saúde ou integridade física.

Aos trabalhadores em tais condições será garantido, nos termos da proposição, a concessão de benefício correspondente a 100% do salário-de-benefício após 25 anos de serviço desde que comprovado o tempo de trabalho em condição insalubre, conforme os dois primeiros artigos do projeto.

Para o custeio do benefício, o projeto prevê a imposição de contribuição adicional para atividades insalubres, acrescendo em seis pontos aquela estabelecida no art. 22, II, da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 (que estabeleceu o Plano de Custeio da Seguridade Social). O projeto determina, além disso, o cancelamento da aposentadoria do beneficiário que continue a exercer atividade insalubre.

A matéria foi objeto de deliberação na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), onde foi aprovada com uma emenda, nos termos do parecer do relator ad hoc, Senador Mozarildo Cavalcanti e da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), onde foi rejeitada, nos termos do parecer do Senador Valdir Raupp

II – ANÁLISE

A proposição foi encaminhada a esta Comissão, para exame de sua constitucionalidade, juridicidade e regimentalidade, a teor do art. 101, I, do Regimento Interno do Senado Federal (RISF).

O projeto destina-se, como dissemos, a estabelecer disposições específicas para a concessão de aposentadoria especial aos trabalhadores do ramo da construção civil. A aposentadoria especial, recordemos, consiste no benefício conferido ao trabalhador que se ative em condições de especial prejuízo à sua saúde ou integridade física, em razão da ocorrência de situações de insalubridade constante que não possa ser sanada.

O trabalho em tais condições tende a produzir danos cumulativos e incontornáveis ao trabalhador, a prejudicar sua durabilidade profissional e a minar sua higidez e sua qualidade de vida e a tornar difícil ou mesmo impossível que tal trabalhador exerça seus misteres por tempo semelhante aos dos trabalhadores não submetidos a tais condições e consiga lograr obter sua aposentadoria.

Com efeito, muitas vezes faltam-lhe condições físicas para atingir o tempo normal de contribuição para a aposentadoria e submeter esse trabalhador a período prolongado de trabalho seria praticamente como condená-lo à morte ou à invalidez.

Ciente dessa necessidade social específica, a legislação previdenciária brasileira sempre cuidou de oferecer condições especiais para a aposentadoria de trabalhadores em profissões insalubres, reduzindo o tempo de contribuição necessário para a concessão do benefício e, consequentemente, a idade de aposentadoria do trabalhador.

A presente proposição busca, assim, o reconhecimento explícito das condições especiais de trabalho a que muitos dos trabalhadores da construção civil estão submetidos, estabelecendo um padrão de vinte e cinco anos de contribuição para a concessão de aposentadoria especial.

Em relação, especificamente, à competência da CCJ, temos de nos indagar a respeito de sua constitucionalidade formal e material e de sua juridicidade.

Quanto à sua constitucionalidade, cremos que a matéria preenche os requisitos de processamento.

O art. 22, XXIII, da Constituição confere expressa e exclusivamente à União a competência para legislar sobre seguridade social, sendo que ao Congresso Nacional cabe decidir sobre o tema, nos termos do caput do art. 48 constitucional.

Além disso, a regulamentação das aposentadorias especiais não se encontra no rol dos temas de iniciativa privativa da Presidência da República, conforme o art. 61, § 1º, da Constituição. Tampouco viola a eventual competência privativa de outro dos agentes públicos arrolados no texto constitucional.

Ainda, a matéria pode ser proposta por qualquer dos membros do Congresso Nacional e seu processamento se encontra conforme as disposições do RISF.

O art. 201, § 1º, da Constituição estabelece (grifos nossos):

Art. 201. …………………………………………………………..

  • 1º É vedada a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria aos beneficiários do regime geral de previdência social, ressalvados os casos de atividades exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física e quando se tratar de segurados portadores de deficiência, nos termos definidos em lei complementar.

………………………………………………………………………..

O projeto em questão satisfaz plenamente essa determinação constitucional, dado que se trata de projeto de Lei Complementar para a regulamentação de aposentadoria diferenciada para os trabalhadores da construção civil que exerçam suas funções em condições especiais, lesivas à sua higidez física.

Nesse sentido, os arts. 1º e 2º da proposição são limpidamente claros, a aposentadoria especial é devida unicamente aos trabalhadores da construção que contem com tempo de trabalho insalubre permanente, não ocasional nem intermitente, de forma coerente, aliás, com a atual legislação previdenciária, que há muito se orienta pela concessão de aposentadoria especial não a classes inteiras de trabalhadores, mas apenas aos trabalhadores individuais que, verificadas suas condições pessoais específicas de trabalho, sejam submetidos a condições adversas de trabalho.

Não se trata, assim, de concessão indiscriminada de direitos, mas de reconhecimento de direito já constantes da legislação previdenciária a segurados que laboram em condições insalubres de trabalho.

Ademais, o projeto contempla fontes de custeio específicas para a concessão de benefícios, em obediência ao disposto no § 5º do art. 195 da Constituição, ao estabelecer um adicional de contribuição específico para os empregadores – ainda que possamos ponderar que o projeto não acrescenta despesas à Previdência, dado que o trabalhador sujeito a condições insalubres já se encontrava ao amparo dos arts. 57 e 58 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991 (Plano de Benefícios da Previdência).

Essa é, talvez, a grande inovação legal do Projeto, uma vez que reconhece que, por suas características, a indústria da construção civil é desproporcionalmente responsável pela concessão de aposentadorias especiais, devendo, portanto, arcar com os custos correspondentes, em vez de externalizá-los a toda a sociedade.

Julgamos necessário, assim, estabelecer critérios claros de aplicação desse adicional, pelo que consideramos oportuna a emenda de redação adotada no âmbito da CAS.

III – VOTO

Do exposto, o voto é pela aprovação do PLS nº 228, de 2011 – Complementar, com a Emenda nº 1 – CAS.